poesia

poesia

10 de outubro de 2014

A bomba Bosão de Higgs!











Fora eu do Universo o arquitecto,
o bosão de Higgs não traria p'rá ribalta.
Dar-lhe-ia outra função e outro tecto,
em local onde creio fazer mais falta.

Lançá-lo-ia noutro espaço em Além,
para o que se diz ser inferno o sentisse
e um outro arquitectava para Aquém,
com carga chamada amor, quando explodisse.

5 comentários:

  1. Já pensou se isso fosse possível? Mas... Quem sabe já não o foi, e outra bomba explodida noutras paragens do Universo, pode ter criado um mundo de amor e paz...
    Que lindo seu poema...
    Bjusss

    ResponderEliminar
  2. Muito bem amigo Zé Loureiro. Bem pensado e melhor expresso neste poema belíssimo. Parabéns e que que o Bosão de Higgs dê lugar a um Bosão de amor fraterno entre todos os seres humanos. Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Amigo fico encanta com estes pensamentos, com esta forma de expressar. Parabéns

    ResponderEliminar
  4. O Universo é um gigante preguiçoso, um sofá cósmico. Se for possível, o Universo vai descobrir uma maneira de mover-se para o estado mais baixo de energia que puder e assim estabelecer um Bosão de Higgs calmo e cheio de amor fraterno entre os humanos. Parafraseando um pouco Hawking, muito havia a reflectir sobre estes fenómanos, expostos duma forma tão linda e poética pelo meu amigo Zé Loureiro !!!

    ResponderEliminar