poesia

poesia

14 de abril de 2016

Amargo amor!












Ele:
Meu amor, amargo amor,
deixa o teu travo apagar,
deixa que altere teu sabor,
para assim poder-te amar.


Permite que possa barrar-te,
com o mais puro dos doces,
p'ra loucamente tomar-te,
como um sacro manjar fosses

Ela:
Meu amor, meu mui amado,
no teu barrar eu me entrego,
ousa alterar o meu estado,
o amargo amor que carrego.

Foi assim...

4 comentários:

  1. Foi assim que um belo par se encontrou, enamorou com um amor doce que certamente dura até hoje e continuará por muito tempo!!! abraço-o com muita amizade!!

    ResponderEliminar
  2. Amores loucos, amargos, doces... Amores amados, amantes amados... Doidera mesmo. Uma bela doidera.

    ResponderEliminar
  3. Ele e ela em sintonia
    Na entrega e no barrar
    É assim na poesia
    Pode ser assim no amar.

    Zé Rainho

    ResponderEliminar
  4. Amar é dialogar
    Amar é entregar
    Amar é partilhar
    Amar é renunciar

    Amor se amargo foi
    Em doce se tornou
    Uma vida alterou
    Mas imortal ficou!

    Amor é contradição
    É loucura e ilusão
    É paixão e sedução!

    No desejar e no querer
    É assim este viver
    Será assim até morrer!

    Foi assim que o meu admirado e estimado poeta, mais uma vez, me encantou com um poema delicioso sobre um amoroso tema.

    Permita-me, querido amigo, substituir o tempo verbal:

    O amor é um estado
    O amor é um sentir
    O amor é viver
    O amor é contradizer
    O amor é um bem querer
    O amor é permanecer
    Sem à razão atender!

    O amor é assim!

    Venham muitos e muitos mais poemas deste grande Senhor Zé Loureiro!

    Um abraço com muito carinho e sempre grata,

    Mena Dias

    ResponderEliminar